Arquivado Sob Água Grande

Socopé Coimbra Nova

Socopé Coimbra Nova de Riboque, cidade de São Tomé

[entrada em construção]

[necessária a autorização de utilização da imagem]

Socopé Coimbra Nova de Riboque (bairro na cidade de São Tomé) foi criado em 1927 pelo senhor Joani José da Costa (Sum Mister) e ao longo das décadas seguintes tornou-se num dos grupos mais populares da ilha (Reis, 1969: 44-45). Costumava atuar tanto nas festas familiares, como religiosas e nos eventos maiores, como as Festas da Cidade. Os versos das suas letras, tanto em relação às partes faladas, como às músicas, de forma divertida descreviam os acontecimentos que ocorriam na comunidade, acrescentando algumas piadas e vários conselhos. Em certas alturas ou para algumas ocasiões, as letras louvavam os governantes, primeiro os portugueses e, após a independência, os santomenses.

O grupo era composto por membros e membras, todos vestidos de rigor, como era comum nos grupos de socopé. As mulheres vestiam saías e quimonos e os homens as calças brancas e as camisas. As mulheres cobriam cabeças com lenços e os homens com bonés militares. O grupo tinha uma bandeira em que constava a data da sua fundação.

Reis menciona duas membras que se destacaram bastante nos anos 1960, a Betina e a Huíla. A sua forma de estar, bem como o sentido de humor fizeram com que este autor lhes tivesse dedicado vários parágrafos em ambos os seus textos dedicados a socopé (Reis, 1969, 1970).

As apresentações do grupo eram acompanhadas por tocadores de instrumentos de percussão (tambores, canzás, chocalhos) e de sopro (pitu-dôxi). Apesar da repetitividade que caracterizava a música, o frenético ritmo fazia com que as pessoas que assistiam as apresentações se juntassem ao grupo na última e mais prolongada parte da performance: após as partes faladas, começava a dança, tanto dos membros e membras do grupo, como do público.

O Coimbra Nova foi o grupo de socopé mais gravado pelos técnicos da Rádio Nacional. O número de registos que deixou supera de forma significativa a quantidade das bobines registados por qualquer outro grupo de socopé. Entre originais e cópias, havia nos arquivos da Rádio 16 fitas com as gravações do Coimbra Nova.   

 

Fontes

Arquivo Nacional Torre de Tombo

Arquivo da Rádio Nacional de São Tomé e Príncipe

Bibliografia

Chambel, Magdalena Bialoborska (2022), Dêxa puíta sócó(m)pé. Música em São Tomé e Príncipe: do colonialismo à independência, Lisboa, Centro de História da Universidade de Lisboa.

Reis, Fernando (1969), Povô flogá, o povo brinca. Folclore de São Tomé e Príncipe, São Tomé, Camâra Municipal de São Tomé.

Reis, Fernando (1970) “A arte popular em São Tomé e Príncipe”, em Fernando de Castro Pires de Lima, A Arte Popular em Portugal: Ilhas Adjacentes e Ultramar, volume 2, Lisboa, Verbo, pp. 129-222.

Imagens

Sem Título

Localização

Metadados

Magdalena Bialoborska Chambel, “Socopé Coimbra Nova,” Mapa Cultural de São Tomé e Príncipe, acedido 18 de Abril de 2024, https://culturastp.com/registo/socope-nova-coimbra.