Bulauê

Gênero musical acompanhado pela dança, um dos mais recentes a surgir nas ilhas de São Tomé e Príncipe. Definiu-se, com este nome e forma musical, entre a segunda metade dos anos 1970 e inícios dos anos 1980. Muito rapidamente ganhou popularidade e os grupos de bulauê surgiram em várias partes do arquipélago.

Na sua versão original, um grupo de bulauê era composto por tocadores de instrumentos de percussão, um ou dois cantores e um coro de vozes femininas, reforçado pelas vozes dos instrumentistas. O número de tocadores oscilava entre 5 e 10 pessoas e entre os principais instrumentos encontram-se vários tambores (tabaques, uémbe, maria) e chocalhos. Este formato acústico prevalecia. Com tempo, alguns dos grupos, incluíram outros instrumentos, como sintetizadores e recorreram a amplificação de som.

As mulheres que fazem parte de grupos, chamadas membras, além de cantar, também dançam. A dança é simples, sem figuras ou passos elaborados e limita-se ao acompanhar com os movimentos do corpo o ritmo da música.

Nas letras o crioulo forro predomina, apesar de existirem também as músicas cantadas em angolar, em português e, até, em crioulo cabo-verdiano. Esta variedade de línguas indica a multiplicidade de origens dos membros de grupo e reflete as mudanças socioculturais a ocorrer nas ilhas nas últimas décadas.

O bulauê é executado em vários momentos do ano, tanto nas festas religiosas, familiares e nas festividades anuais.

Até agora, identificámos cerca de 50 grupos de bulauê que existiam/existem em São Tomé e Príncipe.


Entrevistas
O tema de bulauê foi abordado em dezenas de entrevistas realizadas desde 2013 em São Tomé e Príncipe e entre os santomenses a viver em Portugal

Fontes
Arquivo da Rádio Nacional de São Tomé e Príncipe

Bibliografia
Bialoborska, Magdalena (2016), ”Vungu Téla. Estudo da Música Santomense: Uma proposta de métodos, técnicas e objectivos”, Cadernos de Estudos Africanos, 32, pp. 97-122.

Bialoborska, Magdalena (2020a), “Dêxa puíta sócó(m)pé. Música em São Tomé e Príncipe do colonialismo para independência”, tese de doutoramento, Lisboa, Iscte – Instituto Universitário de Lisboa.

Bialoborska, Magdalena (2020b), “Panorama musical numa roça no sul de São Tomé: Ribeira Peixe antes e depois da independência”, Africana Studia, 34, pp.131-149.

Texto: Magdalena Bialoborska

Bulauê Kasô Tema

Um dos grupos mais antigos da zona, criado ainda nos anos 1970. Os instrumentos musicais do grupo anterior, socopé Novo Brasil, foram reutilizados para acompanhar os convívios, particularmente durante a estada na zona dos estudantes da cidade que em…

Bulauê Malixa

Os atuais membros do grupo Malixa indicam o ano de 1977 como a altura em que o grupo começou as suas atuações de forma organizada. Sublinha-se que já antes desta data os tocadores de tambores do antigo grupo do danço congo, Lisboa Nova, costumavam…

Bulauê Nhá Kôsô

Bulauê Nhá Kôsô foi criado nos anos 1990. Surgiu de forma espontânea, em consequência da organização de um grupo de pessoas que já se encontrava e passava tempo a cantar. Os vianteiros de São João dos Angolares e zonas próximas tinham uma barraca…

Bulauê Ranca Mandioca

[entrada em construção] O grupo foi criado em 2019 por Zé Sardinha, responsável pela sua atividade até agora. Apesar da situação epidemiológica no último ano, o grupo - sempre que era permitido - juntava-se para ensaiar, o que se nota na sua…